Anatel regista queda em queixas contra empresas de telecomunicações

Por: 24 de novembro de 2017Blog, Internet

A telefonia móvel foi o setor que representou a maior queda: for

A Anatel divulgou dados relacionados a reclamações contra empresas de telecomunicações nesta quarta-feira. Para a surpresa de muita gente, houve uma diminuição na quantidade total de queixas em outubro de 2017, em comparação ao levantamento realizado no último ano. A queda já havia sido sinalizada no estudo feito no mês de setembro.

Foram registradas 277,6 mil reclamações de clientes contra prestadores dos serviços de banda larga fixa, telefonia móvel, telefonia fixa e TV por assinatura, uma redução de 16,9 mil, ou 5,7%, em relação ao mesmo período de 2016.

A telefonia móvel foi o setor que representou a maior queda: foram 16,8 mil queixas a menos. Na sequência, vem a telefonia fixa com menos 2,4 mil, à frente da TV por assinatura, com diminuição de 200 reclamações.

O único segmento que registrou crescimento entre os usuários foi o de banda larga fixa, com 2 mil queixas a mais.

Estatísticas por empresa

Na telefonia móvel, a operadora Vivo lidera em redução de queixas, com menos 9,6 mil. Em seguida, aparecem a Claro (-2,4 mil), a TIM (-2 mil) e a Oi (-900). Da mesma forma, na telefonia fixa, a Vivo também teve uma queda maior do que as concorrentes, com 1,6 mil reclamações a menos. Completam a lista a Oi (-800) e a NET (-400).

Já no setor de TV por assinatura, apenas a Oi apresentou diminuição no número, com menos 700 queixas. Apesar do aumento de 300 reclamações por parte do Grupo NET/Claro, vale destacar que, individualmente, a NET cresceu 1,9 mil, enquanto a Claro reduziu 1,6 mil. Na sequência, a Vivo subiu 200 reivindicações; e a Sky, 100.

O levantamento ainda separou a porcentagem de reclamações por serviço. Na telefonia móvel pós-paga, o maior motivo foi relacionado à cobrança (49,2%); seguido por ofertas e promoções (9,6%); e qualidade, funcionamento e reparo (9,2%). Cobrança também foi o maior fator de queixas na telefonia fixa (41,1%); acompanhado por qualidade, funcionamento e reparo (20,76%); e cancelamento (7,8%). Na telefonia móvel pré-paga, foram reivindicações sobre créditos (47,4%); ofertas e promoções (15,7%); e qualidade, funcionamento e reparo (12,2%).

Referente à TV por assinatura, cobrança representou mais da metade das reclamações registradas (50,5%); seguida de qualidade, funcionamento e reparo (9,7%); e ofertas e promoções (9,35%). Já qualidade, funcionamento e reparo formaram o principal motivo de queixas recebidas contra provedoras de banda larga (45,0%). Na sequência, aparecem cobrança (23,6%) e instalação, ativação ou habilitação (9,44%).

Sobre Sérgio Guimarães